Lamu, uma ilha onde o tempo parou



Há 4 anos ouvi falar de Lamu pela primeira vez e desde então fiquei com esse lugar na cabeça. Depois de passar quatro meses em Moçambique, me lembrei dessa ilha no Quênia e achei que era hora de conhecer esse lugar que durante muito tempo ocupou um espaço na minha mente.

Voei desde Nairobi e depois de uma hora meia comecei a sentir a brisa do mar. Desci do avião e caminhei durante alguns minutos debaixo de um sol forte. Passei por uma ponte, ali encontrei um barco que me levou até o outro lado e depois de 10 minutos, finalmente eu estava pisando em Lamu.

lamu

Gente tranquila, burros por todos os lados e casas com uma arquitetura árabe, foram as primeiras coisas que vi. Na costa leste do Quênia, Lamu é um lugar muito peculiar. Não há carros na ilha, o meio de transporte é feito basicamente com burros ou dhows, barcos à vela. É muito legal ver os burros de um lado pro outro carregando bagagens, mercadoria de todos os tipos e pessoas.

lamu

Para vocês terem uma ideia, tem até uma ONG que cuida dos burros doentes, é sério. No começo também achei exagero, mas um homem me explicou que esse é o único meio de transporte que eles têm lá, por isso é preciso cuidar desses animais. Concordei com a justificativa.

Meu objetivo em Lamu era conhecer a ONG Anidan, um belo projeto do espanhol Rafael Selas, que há 10 anos chegou na ilha e se deparou com um grande número de crianças carentes e órfãs. Aos poucos ele começou a ajudá-las e graças ao seu trabalho, perseverança e doações, hoje, a Anidan é um lar para 150 crianças e outras 100 que passam o dia lá.  Conto a história desse incrível projeto neste post. Não percam porque vale a pena!

Durante muitos séculos Lamu teve influência árabe, indiana, turca, otomana e até mesmo os portugueses estiveram ali. A ilha foi reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade por ter a cidade swahili mais antiga e preservada da parte leste da África.

lamu

Casas brancas, em estilo árabe, com pátios no meio, quartos ao redor e belas portas de madeira esculpidas, é o que mais se vê na região. Enquanto caminhava pelas suas ruas estreitas, o lugar me fez lembrar um pouco o Marrocos. Durante muito tempo a ilha esteve na rota comercial dos árabes, por isso a maioria da população é muçulmana e a tradição árabe continua bem presente. Há cerca de 23 mesquitas na ilha. É legal ver os homens usando uma espécie de saia, os coloridos kikoys, tipo echarpes enrolados na cintura. Achei um charme.

lamu

O ambiente em Lamu é muito relaxado, as pessoas são super legais e o vai e vem das ondas convidam a deixar-se levar, não pensar e não fazer nada por um bom tempo. Sentei em alguns dos vários restaurantes à beira-mar e tentei entender como esse lugar ainda resiste às mudanças e a modernidade. Não cheguei a nenhuma conclusão, mas passei ótimas tardes nessa pitoresca ilha africana.

Também me diverti observando como os pescadores distribuiam sua mercadoria fresca em cestas de vime pelos restaurantes. Muitos estabelecimentos têm no cardápio: catch of the day. Ahã, isso mesmo. Seu prato depende da sorte do pescador nesse dia.

lamu

Além de passear pela cidade antiga e conversar com os locais, outro programa é conhecer as praias da região. Shela e Manda são as mais próximas e oferecem areia branca fofa, mar azul e pouca gente ao redor. Desde Lamu dá pra ir caminhando até Shela. O trajeto pode demorar de 30 minutos a uma hora, dependendo da pressa de cada um. Já para chegar em Manda é preciso ir de barco. Há varias pessoas que oferecem passeios ou os hotéis também podem arranjar um para os turistas.

Meu conselho é tentar negociar o preço com os donos dos barcos. Uma dica, em Lamu há vários homens que insistentemente oferecem excursões de barco ou querem mostrar hotéis aos visitantes. Tudo funciona na base da comissão. Então, prepare-se para dizer educadamente várias vezes que não.

A ilha é muito tranquila e como há muitos muçulmanos por lá, são poucos os lugares que oferecem bebidas alcoólicas, além dos hotéis. Durante a noite, uma opção bacana é o Floating Bar, uma casa que flutua no meio do mar. Nos fins de semana o lugar enche e é ponto de encontro de turistas e locais. Em terra firme, outra opção é o Petleys, um pub animado com cerveja e música para quem quiser chacoalhar um pouco o esqueleto.

Como chegar
Para quem tem paciência e não se importa em passar algumas horas num ônibus, desde Mombasa são 8h, e 6h30 desde Malindi. Para os que têm pressa em chegar e podem gastar um pouco mais, há voos desde Malindi ou Nairobi. As companhias aéreas que fazem o trajeto Nairobi-Lamu são Air Kenya, SafariLink e Fly 540 .

Quando ir
Em Lamu é verão quase o ano inteiro. Os meses mais quentes vão de novembro a abril. Nessa época prepare-se para temperaturas bemmmm altas e muita umidade. As chuvas vão de abril a junho, mas mesmo nesse período o tempo continua bom.

lamu

Onde ficar
Há muitas guests houses e hostéis em Lamu. Eu fiquei hospedada uns dias na Alm’s House, um lugar bem simples, porém limpo e econômico. Para quem procura mais conforto, eu super recomendo o “hipie chic” Lamu House, de frente para o mar. Também fiquei hospedada ali uma noite e curti muito. O lugar tem quartos aconchegantes e bem decorados, uma linda piscina e um restaurante que serve ótimos frutos do mar e um saboroso café da manhã. Além disso, o hotel oferece um serviço de lancha que leva os hóspedes até a praia de Manda. Uma ótima opção para passar o dia na praia e saborear um bom almoço com os pés na areia.

Fachada do Lamu House Hotel

Fachada do Lamu House Hotel

E para quem busca muito luxo e um lugar bem tranquilo para descansar, o Red Pepper é ideal. Esse é um hotel boutique com serviço cinco estrelas, muita privacidade e garanto que os jantares à luz de velas na beira da piscina vão ficar na sua memória por um bom tempo. Os meus continuam aqui bem presente, à espera da próxima oportunidade de visitar essa ilha mágica de novo.

Encontrou a informação que precisava, foi útil? Quer me retribuir? Então reserve um hotel através do Booking que oferece ótimos descontos e cancelamento grátis. Você não paga mais se reservar por aqui e dessa maneira o Mochila Cult recebe uma pequena porcentagem pra continuar com as viagens. Agradeço desde já.

Curtiu este post? Curta também a página do Mochila Cult no Facebook!!

© Direitos reservados. Proibido reproduzir textos e fotos deste blog sem a minha autorização.

5 Comments

  1. tatiscot's Gravatar tatiscot
    December 23, 2012    

    Lu, seu blog está demais!!! Parabéns!! Que vontade de embarcar nas suas aventuras.
    Super beijo
    Tati Escosteguy

  2. Alvarez's Gravatar Alvarez
    December 27, 2012    

    Bem interessante mesmo. Curto Muito acompanhar seu Blog Tia Lu. Viagens descoladas para lugares únicos… VALEU.

  3. March 18, 2013    

    Puxa, leio muito sobre a África e não vejo a hora de ir até o Quênia e nunca ouvi falar de Lamu. Saber que além da beleza natural há alguém com um trabalho tão intenso e socialmente importante é mais uma motivação para visitar. Gostei D+ !!!

    • March 18, 2013    

      Que bom, Adriana. Se tiver a oportunidade, vá mesmo. Lamu é um desses lugares especiais que esconde várias surpreas aos viajantes que buscam esse tipo de experiências que não estão nos guias. Abraços!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Especiais

Especiais

Descontos? Reserve já seu hotel pelo Booking

Receba novos posts direto no seu email


PARCEIROS

PARCEIROS